Estiagem em SC: Epagri divulga manejos recomendados para diminuir prejuízos nos cultivos


Foto: Julio Cavalheiro / Arquivo/ Secom

A Epagri divulga medidas para que os agricultores possam enfrentar a estiagem em Santa Catarina, que persiste desde 2019, principalmente na região Oeste. A falta de chuva vem impactando os rios catarinenses: das 34 estações hidrológicas de monitoramento de nível de rios da Epagri/Ciram no estado, 20 apresentam situação de estiagem. Segundo o meteorologista Clóvis Corrêa, a previsão para os meses de maio, junho e julho é de chuva abaixo da média histórica devido à atuação do fenômeno La Niña.


O gerente de extensão rural e pesqueira da Epagri, Darlan R. Marchesi, ressalta que a Empresa, além de desenvolver tecnologias que auxiliam os agricultores, também operacionaliza Políticas Públicas disponibilizadas pela Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural. Iniciativas que possibilitam investimentos nas propriedades para mitigar a restrição hídrica em cultivos agrícolas e produções pecuárias. Confira a seguir as indicações importantes da Epagri que podem ser adotadas para enfrentar a estiagem na área rural.


Orientações básicas

– Procure apoio nos escritórios municipais da Epagri. Os técnicos estão preparados para orientar em práticas, tecnologias e políticas públicas. – Acompanhe as previsões metereológicas da Epagri/Ciram. – Sempre que possível, faça o planejamento para enfrentar a estiagem: implante e ou amplie a capacidade de reservas de água no solo e em cisternas. – Invista em reservatórios dimensionados para maior disponibilidade, principalmente onde há produção animal. – Poços artesianos podem ser opções complementares, mas é importante sempre procurar profissionais habilitados e critérios técnicos.


Práticas estruturantes

– Implante e/ou amplie a capacidade de reserva de água na propriedade. – Capte a água da chuva para armazenar no próprio solo, mas também em reservatórios e cisternas. Conheça o Kit Solo Saudável e o programa Cultivando água e protegendo o solo. Essas políticas públicas fornecem subsídios aos agricultores com enquadramento para aquisição de sementes de adubos verdes, proteção e recuperação de nascentes, terraceamento, cobertura do solo e armazenamento de água. – Proteja as nascentes e, se viável, utilize a proteção de Fonte Modelo Caxambu, de baixo custo e alta eficiência. – Faça avaliação da qualidade do solo em profundidade: perfil cultural. Se necessário, em caso de compactação e adensamento, escarifique e implante imediatamente culturas com sistema radicular bem desenvolvido. – Faça análise química e física do solo, corrija a fertilidade do solo. – Utilize sistema de rotação de culturas, com plantas de cobertura do solo e Semeadura Direta. – Implante práticas mecânicas de conservação do solo e da água como: terraços e curvas de nível.


Pecuária

Foto: Divulgação / Epagri

– Faça a orçamentação alimentar, ou seja, calcule a demanda de forragens e a oferta de reservas de alimento para período mínimo de 154 dias. – Em caso de balanço negativo, descarte de animais: inicie por aqueles que jamais produzirão leite, seguidos de vacas com problemas sanitários, reprodutivos e/ou com idade avançada e por último as vacas com baixa produtividade. – Produza alimentos concentrados na propriedade e utilize alternativas balanceadas de rações contendo soja em grão, casquinha de soja, cereais de inverno (trigo, farelo de trigo e outros). – Procure os técnicos da Epagri para calcular a viabilidade técnica e econômica desses alimentos, em substituição ao milho e farelo de soja. – Faça semeadura e sobressemeadura das pastagens de inverno quando o solo apresentar condições de umidade. – A médio e longo prazo, implante pastagens perenes de alto potencial produtivo, tolerantes ao estresse hídrico, como é o caso do capim-pioneiro e do Tifton 85. – Implante e/ou amplie a capacidade de reserva de água da propriedade, tanto para abastecimento dos animais, quanto para irrigar pastagens, se for o caso. – Melhore a disponibilidade de água de qualidade ofertada aos animais nos piquetes.


Grãos – cereais de inverno e plantas de cobertura do solo

– Planeje para semear as culturas na melhor época, de acordo com o zoneamento. – Acompanhe previsões climáticas e escalone a semeadura. – Utilize sementes fiscalizadas ou certificadas de boa procedência e selecione as variedades mais indicadas para a região. – Adeque a densidade de semeadura. Caso as previsões apontem para redução nas precipitações, poderá ser utilizada a estratégia de reduzir as populações de plantas. – Se necessário, utilize semeadoras com hastes sulcadoras. – Faça Semeadura Direta, com mínimo revolvimento, monitorando as áreas para que tenham palhada suficiente, preferencialmente acima de 10 toneladas de massa seca por hectare.


Apicultura

Foto: Divulgação / Epagri

– Acompanhe as floradas e adapte os manejos das colmeias. – Monitore apiários para evitar a morte ou enfraquecimento das colônias. – Forneça alimento proteico e energético. O bife proteico deve ser colocado próximo às crias. – Evite abrir as caixas, pois há perda de calor, gasto de energia e alimento para elevar a temperatura novamente. – Em dias frios, não pulverize com ácido oxálico para controle de varroa, pois poderá ocorrer o congelamento dentro do ninho; – Instale “alvado invertido”. Emergencialmente pode ser utilizado um sarrafo na parte central do alvado. – Coloque o poncho ou entretampa horizontal. Emergencialmente pode ser utilizado entretampa de ráfia. – Utilize poncho ou entre tampa vertical nas colmeias que for necessário. – Acesse o site Apis on-line.


Piscicultura

– Acompanhe a qualidade de água nos viveiros: monitore oxigênio dissolvido (>4 mg/L), a alcalinidade (> 30 mg/L) e a transparência (entre 25 a 40 cm). – Controle adubações, fertilizações ou arraçoamentos em caso de falta de água, com oxigênio baixo e transparências abaixo de 25 cm. – Utilize biometrias e a tabela de alimentação (Epagri) para alimentação para tilápias. – Evite drenagens e corrija possíveis vazamentos nas comportas. – Apenas renove a água de forma pontual quando os parâmetros não estejam adequados. Se necessário, reduza cerca de 10 a 20% do volume, posteriormente, eleve o nível novamente.


Informações adicionais e entrevistas: Darlan Marchesi, gerente de extensão rural e pesqueira da Epagri. Fone: (48) 98800-6558.

Mais informações para a imprensa: Gisele Dias Assessoria de imprensa Epagri Fone: (48) 3665-5147 / 99989-2992 E-mail: giseledias@epagri.sc.gov.br Site: www.epagri.sc.gov.br

0 comentário