Governo do Estado investe R$ 24 milhões para incentivar o cultivo de grãos em Santa Catarina


Santa Catarina quer ampliar a produção de grãos para abastecer o setor produtivo de carnes. O Governo do Estado, por meio da Secretaria da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, irá investir R$ 24 milhões para incentivar o cultivo de milho e cereais de inverno, trazendo mais competitividade para o agronegócio catarinense. As medidas foram anunciadas pelo governador Carlos Moisés e o secretário da Agricultura Altair Silva, nesta terça-feira, 16, durante o Fórum Mais Milho exibido pelo Canal Rural.



"O setor produtivo de Santa Catarina é extremamente eficiente, tanto que 30% do nosso PIB e 70% das nossas exportações têm origem no agronegócio. Para apoiar a produção catarinense, nós ampliamos o Programa Terra Boa, que possibilita a distribuição de sementes de milho de alta produtividade. Além disso, seguimos investindo em energia elétrica para o meio rural e na melhoria de infraestrutura para escoar a produção, dar mais agilidade e otimizar a logística em nosso estado", destaca o governador Carlos Moisés.


Com o Programa Terra Boa, o Governo do Estado irá apoiar a aquisição de 200 mil sacas de semente de milho em todo o estado. Serão R$ 23 milhões em recursos para disponibilizar sementes de médio a altíssimo valor genético, que geram um rendimento maior por hectare plantado. A intenção é diminuir o deficit do grão em Santa Catarina, trazendo mais competitividade para as agroindústrias instaladas no estado e mais renda ao produtor rural.


"Estamos fazendo de tudo para que os produtores tenham acesso à tecnologia e possam ampliar a produção de milho e também investir na produção de cereais de inverno. Precisamos encontrar soluções para nossas dificuldades reais. Nossa intenção é, já neste ano, aumentar a produção de cereais de inverno", ressalta o secretário de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, Altair Silva.





Quebra na safra de milho em Santa Catarina

Em Santa Catarina, a estiagem prolongada e a cigarrinha do milho contribuíram para uma redução de 20% na safra do grão. O estado espera colher 2,2 milhões de toneladas e importar mais de cinco milhões de toneladas de milho em 2021. Com a alta nos preços dos insumos, os pecuaristas catarinenses sofrem com o aumento no custo de produção.


O presidente da Associação Catarinense de Avicultura (Acav), José Antônio Ribas Júnior, explica que o milho responde por 40% do custo final de produção das aves e a cotação do grão deixa o setor em um momento crítico. "Nós temos que buscar alternativas para que possamos superar esse momento. O setor não suporta toda essa pressão de custos somada à alta da energia elétrica e do combustível. A iniciativa privada e o setor público têm buscado, juntos, alternativas urgentes para que possamos entrar em uma situação de equilíbrio".


Em sua fala, a vice-governadora Daniela Reihner destacou os grandes desafios do setor produtivo e também a importância das ações do Governo do Estado para fomentar o aumento na produção. "Acompanho de forma muito próxima os pontos levantados no Fórum como fundamentais para o crescimento de mercado da proteína animal em Santa Catarina e entendo que a infraestrutura do Estado precisa acompanhar a capacidade produtiva catarinense. O investimento em logística será determinante para alcançarmos o abastecimento necessário de grãos para os animais", declarou.


A Secretaria da Agricultura concentra seus esforços também na busca de alternativas para reduzir a dependência de milho e diminuir os custos de produção. A intenção é reforçar o apoio para o plantio de trigo, triticale e cevada no estado.


Produção de cereais de inverno

Santa Catarina já desenvolve um Projeto de Incentivo ao Plantio de Cereais de Inverno, que pretende ampliar a área plantada com esses grãos no estado. Será investido R$ 1 milhão em pesquisas nessa área, em uma parceria entre Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc) e Epagri.


Segundo o chefe-geral da Empraba Trigo, Osvaldo Vasconcelos Vieira, a região Sul do Brasil tem a oportunidade de abrir uma nova fronteira agrícola: a safra de inverno. "Cultivamos apenas 2,5 milhões de hectares no inverno, numa área disponível de 14 milhões de hectares de terra disponíveis em Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul. Temos uma grande oportunidade de desenvolver essa estrutura que já existe e que é do conhecimento do produtor".


Em Santa Catarina a área potencial para a produção de trigo, triticale, aveia e cevada é de 600 mil hectares e, com o Projeto de Incentivo ao Plantio de Cereais de Inverno, os produtores contam um subsídio do Governo do Estado por hectare plantado.


"Temos um papel estratégico de motivar a cadeia produtiva em Santa Catarina. Desde 2019 estamos trabalhando na elaboração de uma política pública para, junto com entidades, cooperativas e agroindústrias, estabelecer contratos futuros com produtores de cereais de inverno. E o Governo do Estado dará um subsídio, na forma de seguro, de até R$ 200 por hectare. Encontrar alternativas para o abastecimento de grãos é a bandeira número um da Secretaria da Agricultura", afirma o secretário adjunto Ricardo Miotto.


Outras ações para abastecimento de grãos em Santa Catarina

O incentivo para produção de cereais de inverno vem complementar outras ações desenvolvidas pelo Governo do Estado para aumentar o fornecimento de insumos. Santa Catarina trabalha para viabilizar a Rota do Milho, trazendo o grão do Paraguai diretamente para o Oeste, além de manter contato com o Ministério da Agricultura para ampliar os estoques da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).


Informações adicionais para imprensa: Ana Ceron Assessoria de Imprensa Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural E-mail: imprensa@agricultura.sc.gov.br Fone: (48) 3664-4417/ 98843-4996 Site: www.agricultura.sc.gov.br

0 comentário